sexta-feira, 17 de abril de 2015

A Cultura Popular como estímulo à leitura dos brasileiros

Bonecos do Mestre Maestro-Bananeiras-PB "in memoriam

A Cultura Popular como estímulo à leitura dos brasileiros

Como a tradição oral pode contribuir para a formação de uma sociedade leitora.

Afinal, os brasileiros não leem porque os livros são caros ou os livros são caros porque os brasileiros não leem? Ou nenhuma das alternativas é correta? Evidente que a questão econômica influencia, mas não se torna a única variável desta equação, pois, há sim outros fatores que compensariam a ausência de uma cultura letrada no Brasil e que poderiam servir de estimulo a formação da nossa tão almejada sociedade leitora. 

Tradição oral

O compositor Tom Zé conta em uma entrevista que adquiriu sua visão de mundo ouvindo as histórias dos sertanejos, que iam à loja de seu pai adquirir produtos manufaturados. Ele reforça que muito o impressionou a sabedoria desta gente analfabeta, mas de uma inteligência rara graças a sua rica tradição oral. Quem já escutou uma "embolada" entre dois desafiantes sabe bem desta aguda inteligência.

Literatura de cordel

Possivelmente, este tipo de literatura popular, muito apreciada no nordeste brasileiro, não seja incluída nas pesquisas sobre leitura de livros pelos brasileiros, mas ela é por demais significativa para a formação cultural de toda uma região. O cordel é feito artesanalmente e é vendido muito barato em praças e feiras do sertão. Declamado pelo cordelista (é feito em forma de versos) para os frequentadores da feira e vende como pastel feito na hora.

Teatro de mamulengo

O teatro de bonecos mamulengo, também uma tradição oral nordestina, e é outra forma encantadora de se levar cultura e educação a todos. Em uma roda de poesia, com pessoas em situação de rua, um deles contou para os colegas e poetas presentes parte da história de um teatro de mamulengo que ele tinha assistido na Redenção, um parque muito frequentado em Porto Alegre. 

Contadores de histórias

A contação de histórias é outra maneira lúdica e muito atraente de divulgar a literatura para crianças e adultos. Contadoras de história transformam temas normalmente áridos de palestras e manuais (segurança no trabalho, trânsito, saúde bucal, etc.) em divertidas histórias, utilizando esquetes ou fantoches, que são muito apreciadas pelos trabalhadores.

Aula-espetáculo

Ariano Suassuna, escritor brasileiro, também nordestino, tinha uma maneira muito divertida e infalível de estimular o gosto pela leitura através do riso com suas anedotas, ditos espirituosos e piadas, ao mesmo tempo em que falava sobre poetas e escritores brasileiros.
Com estes poucos exemplos da cultura popular, pode-se deduzir que há uma riqueza significativa à disposição para se formar uma sociedade leitora à altura dos desafios da jovem democracia brasileira, como já fizeram na década de 60 os Centro Populares de Cultura, CPCs, inspirados na 'Pedagogia do Oprimido', do saudoso educador brasileiro Paulo Freire.

quinta-feira, 19 de março de 2015

“Roda Brasília de Teatro de Bonecos 2015”.

Neste sábado o  grupo Mamulengo Sem Fronteiras fará uma brincadeiras muito envolvente, cheia de alegria nas comemorações do registro do teatro popular do nordeste  como bem imaterial no Livro de Registro das Formas de Expressão do IPHAN.
Comparecem e compartilhem,




quinta-feira, 12 de março de 2015

Roda Brasília de Teatro de Bonecos 2015

ACTB e SESC Garagem apresentam
Roda Brasília de Teatro de Bonecos 2015
Realização ACTB
Apoio Cultural SESC

A Associação Candanga de Teatro de Bonecos – ACTB, com o apoio do SESC, estará realizando no Teatro SESC Garagem - localizado na 913  Sul, telefone (61) 3445-4415 – o evento “Roda Brasília de Teatro de Bonecos 2015”.
Com a proposta de apresentar a atual produção dos grupos de teatro de bonecos filiados à ACTB, estaremos de 19 a 29 de março, sempre de quinta a domingo, com extensa programação composta por espetáculos, oficinas, exposição fotográfica, exibição de vídeos e rodas de conversas.  
O evento também fará referências ao recente Registro do Teatro de Bonecos Popular do Nordeste, com a exposição fotográfica: “Mestres e Bonecos do Teatro Popular do Nordeste”, do acervo da Professora Izabela Brochado; a exibição do vídeo institucional de Registro do Teatro de Bonecos Popular do Nordeste; e a realização de duas rodas de conversas sobre a atual situação dos Mestres Brincantes de teatro de bonecos popular e suas expectativas após sua inscrição como bem imaterial no Livro de Registro das Formas de Expressão do IPHAN.

As oficinas serão realizadas no próprio SESC Garagem e seu agendamento será pelo tel.(61) 3445-4415 ou pelo e-mail ciajorgecrespo@gmail.com.

                            
 
        


terça-feira, 10 de março de 2015

sábado, 7 de março de 2015

Bonecos Popular do nordeste patrimônio Cultura do Brasil

Com  grande emoção que  recebemos com louvor o Presente do Grande Mestre Jô Oliveira para os Bonecos Popula do Nordeste no momento do seu reconhecimento com Patrimônio cultural do Brasil.


sexta-feira, 6 de março de 2015

terça-feira, 3 de março de 2015

O Teatro de Bonecos do Nordeste Patrimônio Cultural Brasileiro


O Livro de Formas de Expressão do Patrimônio Cultural Brasileiro pode ganhar mais um bem registrado, é o Teatro de Bonecos Popular do Nordeste - Mamulengo, Babau, João Redondo, Cassimiro Coco (TBPN). A sua inscrição será avaliada na 78ª reunião do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, no dia 05 de março, na Sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em Brasília. O pedido de inclusão foi solicitado pela Associação Brasileira de Teatro de Bonecos (ABTB), o que afirma a tendência de uma apropriação da sociedade sobre suas manifestações.
O Teatro de Bonecos do Nordeste se tornou uma tradicional brincadeira, com origens no hibridismo cultural, durante o período de colonização do Brasil. A troca intensa possibilitou uma diversidade de temáticas: religiosa, profana ou de costumes populares. E, apesar deste bem ser amplamente conhecido como mamulengo, em cada contexto se desenvolveu de forma diferenciada, por isso, possui diversas denominações: Cassimiro Coco, no Maranhão e Ceará; João Redondo e Calunga no Rio Grande do Norte; Babau na Paraíba; Mamulengo em Pernambuco.
A brincadeira começa com a montagem da empanada, uma espécie de barraca. Depois disso, os brincantes se colocam na parte de trás e então começa o espetáculo com os bonecos em cena e a introdução de um texto poético, a loa. Além da narrativa, a peça contém elementos surpresas, sugeridos, muitas vezes, pelo mestre a partir de um conhecimento prévio sobre o público, por exemplo.
Esta forma de expressão carrega elementos fundamentais para a sustentabilidade da identidade, memória e ainda desempenha um papel agregador que legitima as práticas cotidianas nessas regiões. Dessa maneira, tornou-se uma referência cultural que vem se atualizando, ao longo do tempo, mas que mantém relações de tradição, pertencimento e coletividade no universo cultural na qual se desenvolve.
O Teatro de Bonecos Popular do Nordeste, assim, constitui-se não apenas como um Brinquedo ou, simplesmente, um traço do folclore, envolve, sobretudo, a produção de conhecimento criativo, artístico e com uma forte carga de representação teatral.
De acordo com Fernando Augusto Santos, que pesquisa a brincadeira dos bonecos, este tipo de fazer teatro está estreitamente relacionado a grupos sociais específicos e enraizado no cotidiano dessas comunidades “por suas características, meios e modos de trabalho e sobremaneira por seu caráter dramático, que lhe faz representar, reinventar e mesmo transfigurar a cultura, a coletividade e o mundo, que lhes são próprios e nos quais sobrevive”.
Assim, pela representatividade que possui essa manifestação, a Associação Brasileira de Teatro de Bonecos vêm se articulando para que O Teatro de Bonecos seja reconhecido como Patrimônio Cultural do Brasil, pelo Iphan e pela sociedade. No texto de inscrição ressalta-se o que este bem “trata-se de uma expressão teatral genuína da cultura brasileira e muito peculiar do nordeste brasileiro, rica da genialidade de seus criadores e na empatia que estabelece com seu público”.
O Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural
O Conselho, que avalia os processos de tombamento e registro, é formado por especialistas de diversas áreas, como cultura, turismo, arquitetura e arqueologia. Ao todo, são 23 conselheiros que representam instituições como o Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), o Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos), a Sociedade de Arqueologia Brasileira (SAB), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o Ministério da Educação, o Ministério das Cidades, o Ministério do Turismo, o Instituto Brasileiro dos Museus (Ibram), a Associação Brasileira de Antropologia (ABA) e mais 13 representantes da sociedade civil, com conhecimento nos campos de atuação do Iphan.
 http://portal.iphan.gov.br/portal/montarDetalheConteudo.do?id=18798&sigla=Noticia&retorno=detalheNoticia


Serviço:
78ª Reunião do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural
Data:
 05 de março de 2015

sábado, 28 de fevereiro de 2015

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

No Céus das Artes

O projeto “No Céu das Artes” de realização do Grupo Teatral de Tangará da Serra – GRUTTA
em parceria com o Ministério da Cultura e a Fundação Nacional das Artes - FUNARTE acontecerá no dia 07/02/2015 (sábado) as 18:00 horas na Praça Céu das Artes - Sorriso Mestiço Dorival Brandão no município de Sorriso/MT. “No Céu das Artes” faz parte do Edital Funarte de Ocupação dos Céus das Artes/2013 quetem como objetivo integrar num mesmo espaço físico programas e ações culturais, práticas esportivas e de lazer, formação e qualificação para o mercado de trabalho, serviços socio-
assistenciais, políticas de prevenção à violência e inclusão digital, de modo a promover a cidadania
em territórios de alta vulnerabilidade social das cidades brasileiras, a partir do ano de 2014.
O primeiro Grupo a participar será o Mamulengo Sem Fronteiras que levará apresentações  de dois espetáculos de seu Repertorio sendo Eles " Exemplos de Bastião e As aventuras de Baltazar no reinos dos Mamulengos" além de uma oficina de Teatro de mamulengos e Objetos com uma montagem de espetáculo com alunos da Comunidade.








domingo, 25 de janeiro de 2015

VERÃO CULTURAL CERVEJARIA KAIXA D`ÁGUA - de 26/01 a 14/02/2015

Para Celebrar e comungar o início Ano de 2015,
VERÃO CULTURAL CERVEJARIA KAIXA D`ÁGUA - de 26/01 a 14/02
(Programação da Primeira Semana)
Sempre às 20hs, Domingo às 19hs
..................................................................
- 26/01 (Seg.) Noite de Abertura - Lounge por Gérson Deveras;
Seleção de Filmes do Festival de Curtas dos Alunos da Escola Pública CEMAB;
O Meu nome é Fábio, de Ivaldo Cavalcante;
MC Nobre y Nasson, César De Paula, Abder Paz (mímica);
Singelo MC e DJ Liso;
Poetas, Exposição fotográfica Danilo Cruz e
Joelma Antunes (Criaturas da Noite) + Espaço aberto
- 27/01 (Ter.) Cinema e Gastronomia, Exposição de esculturas e MPB c/ Velho Branco
- 28/01 (Qua.) Noite de Cultura Popular (Forró, Mamulengo e Outras Manifestações)
- 29/01 (Qui.) Sacolejo, Noite c/ os DJs Ogro, MOVNI, Mkm
- 30/01 (Sex.) Deusdeth Francisco & Banda
- 31/01 (Sáb.) Festa Hair c/ a banda Os Naftalinas e a DJ Cherry Bomb
- 01/02 (Dom.) Epítase, Casa Vermelha
........................................................................
Ingressos a 6 r$ na semana. Fim de semana (sex., sáb., dom.) 8r$

End: CNF 02 Lote 01 lojas 04 e 05 Praça da CNF Taguatinga
Compartilhem e Compareçam